domingo, 28 de junho de 2009

Tédio


Não rolou de postar estes dias.
Tédio.
Assunto? É, também acho que ta faltando. Não dá pra ficar falando só dos rolés de bike domingo.
Ah, eu machuquei o olho na porta do carro. Doeu pra caramba. Abro aquela porta mil vezes por mês, e nunca me aconteceu. Aliás esse foi o final de semana do acidente. O Thanius estrepou o queixo no futsal hoje de manhã e levou 5 pontos. O vergonha (nome do time dele, la da Facom) perdeu nos pênaltis, o que não é de se estranhar. O olho? Ficou roxo sim. Mas juro que foi a porta do carro mesmo, não mexi com mulher dos outros não!
O que eu fiz hoje? Churrasco, of course. Vi o jogo do Brasil (até que desta vez eles fizeram bonito) li mais um pouco do meu livro (A história íntima do orgasmo), tomei minhas geladas, e agora à noite fui no shopping com os meninos, comemos no Subway vimos as vitrines e seus preços intangíveis, e ficou nisso. Final de final de semana. Escutando o Faustão falando la na TV da sala, e tendo com isso a certeza de que o final de semana acabou mesmo. Amanhã começa tudo de novo. Mas estou super animado com os novos tempos da Duduxo. A coisa tá bombando. Tá dando prazer de ver a fábrica indo de vento em popa. Desse jeito acho que monto meu apê la pra agosto. Preciso fazer a lista de coisas...aiaiaia, ninguém merece isso. Fazer isso sem uma opinião feminina não vai ser nada fácil. Mas enfim, como ja dizia o velho deitado, "mais do que isso sofreu a mãe do porco espinho".
Quer dar umas risadas? Acesse o blog Supino. Eu dei muitas risadas. Um humor inteligente da molecada lá da Facom. O Thanius, claro tá no meio. Muito legal: www.blogsupino.blogspot.com
A gente se vê!

terça-feira, 23 de junho de 2009

Domingo

No final do role, a turma toda. Renato, Cris, Thales, Eu e Leandro.

Thales e Renato. Da so uma olhada no ceu!!

Depois de um sabado chato nada como uma trilha de bike para reanimar. Como diriam os surfistas, nada que um dia de surf não cure, no meu caso, uma trilha de bike.
As 4 da manhã de domingo fui acordado por uma msg do Filippe no telefone, dizendo que não ia poder ir...imaginem, devia estar tungadinho...
Elaine Plantinha que disse que ia tambem não apareceu. Jainer, segundo o Thales, estava passando mal. Birita tb???
Enfim, fomos eu, Thales, Leandro, Cris e um novato, gente boa, amigo do Thales: Renato. Pedala bem, bom companheiro. Inclusive atingiu a marca de 3000 km mostrada no computador de bordo! Boa bola garoto.
O role não teve muita novidade, deu pra esticar as pernas e colocar os musculos em dia depois da aventura de Arraial do Cabo. O dia estava lindo e as comphanias, pra variar, agradaveis.


Foto meramente ilustrativa: Cris e o lago.

Leandro e o lago!

domingo, 21 de junho de 2009

Sábado chato

Vai uma mal passada?

Sábado chato.

Não tem nada pra fazer? Ninguém te chamou pra nada?

Não há nada na TV? Já levou a mãe no bingo?

Don’t worry, be happy.

Receita: Compre meio quilo de qualquer carne, umas latinhas da sua cerveja predileta (se não curte cerveja serve uma caipirinha tb), Carvão, tempero (serve só sal mesmo), ligue um som, ou pegue um livro, ou os dois, vá pra qualquer cantinho que tiver e faça um churrasco. Isso mesmo, sozinho. Ótima oportunidade pra colocar os pensamentos em dia. Fique ali você em companhia de você mesmo e o sábado chato terá passado, o domingo chegará (será chato??) e pronto!

sábado, 20 de junho de 2009

Borboletas! Mario Quintana?


“Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa, você precisa,
em primeiro lugar, não precisar dela.
Percebe também que aquele cara que você ama (ou acha que ama)
e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem da sua vida.
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você.
O segredo é não correr atrás das borboletas…é cuidar do jardim para que elas venham até você. No final das contas, você vai achar, não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!”

Aos incautos: Este poema não é de Mario Quintana como se alardeia pela net, pelo contrário é de autor desconhecido. É lindo, mas infelizmente não é de Quintana. Snif!

sexta-feira, 19 de junho de 2009

SAINDO DE MIM

Você foi saindo de mim

Com palavras tão leves

De uma forma tão

branda

De quem partiu alegre

Você foi saindo de mim

Com sorriso impune

Como se toda faca não

tivesse

Dois gumes

Você foi saindo de mim

Devagar e pra sempre

De uma forma sincera

Definitivamente

Você foi saindo de mim

Por todos os meus poros

E ainda está saindo

Nas vezes em que choro


Ivan Lins...

quinta-feira, 18 de junho de 2009

JF - Arraial 6° dia


(A data da postagem não coincide com o dia do acontecimento. Estou postando em JF depois do evento)

Acordei com essa visão da janela do meu quarto.

A sexta feira amanheceu nublada em Arraial do Cabo e meio de ressaca também. Uma sensação estranha abateu sobre o grupo, os que ainda estavam em Arraial. Uma sensação de realização mas ao mesmo tempo de que a brincadeira havia acabado e que demoraria mais um ano agora pra gente curtir de novo. O grupo a esta altura ja estava meio que desfeito. Alguns não ficaram na pousada porque preferiram estar com a familia, que os foram recepcionar em outros lugaresmais reservados. Uns saíram cedo retornando pra suas cidades. Eu, Marcus, Guilherme, Ronilton, Junior e Fred fomos dar um passeio na praia (como bons mineiros não nos importamos com o céu nublado) e uma volta pelo centro de Arraial. Programamos pra depois do almoço (diga-se de passagem num ótimo self-service, onde o que não faltavam eram frutos do mar) o retorno a JF.

Eu, Marcus e a cerveja...merecida

Eu, o mar, o tempo nublado...coisa de mineiro, mas eu juro que não entrei na agua!

Hora de arrumar tudo pra voltar. As guerreiras têm prioridade

A chegada, ja a noite, em Juiz de Fora. Acabou!
E assim terminou a saga de dois caras muito malucos que um dia resolveram arrastar com eles mais 11 outros caras tão malucos quanto. Foram 450km não só de estradas e suas paisagens maravilhosas, mas 450 km de amizade, companheirismo, muita adrenalina e a certeza absoluta de que devemos sim aproveitar cada minuto de nossa vida, como se realmente fosse o último.
Eu fiz isso. E você?

The End

domingo, 14 de junho de 2009

JF - Arraial - 5° dia

(A data da postagem não coincide com o dia do acontecimento. Estou postando em JF depois do evento)
O pessoal reunido antes da subida

Logo no inicio da subida tudo parecia lindo e maravilhoso...e era, mas a subida meu amigo!!!!

O quinto e último dia foi reservado para ser o mais puxado. Saindo de Barra do Sana enfrentariamos o que seria a maior subida que ja encarei até hoje, mais forte ainda que a subida de Cruz das Almas em Ibitipoca, que, para quem sabe, é uma grosseria!
Partimos cedo de Barra do Sana, porque alem da subida, ainda teriamos mais de 100 km pela frente ate chegarmos a Arraial do Cabo.

A subida mal havia começado. O cansaço ja era evidente, mas o visual recompensava tudo.

Pequenos oasis que encontramos no meio do caminho, encravados nas montanhas.

A guerreia, a altitude, o visual sem igual!

Toda a aventura foi documentada em video. Um dvd sera editado pra ficar pra posteridade!

Os organizadores Marcelo e Marcus, que ja haviam feito o trajeto, nos alertavam o tempo todo para a dificuldade da subida depois de Barra do Sana. Eles não exageraram. Até pra empurrar as bikes estava dificil.
Uma vez vencido o obstáculo teríamos uma bela e longo descida pela frente, depois o almoço numa pousada que mais parecia um hotel fazenda e continuar no pedal até a chegada a Arraial.

Enfim a descida! Ufa!!!

Foi de la que a gente desceu!

Ta pensando o que?? A gente estava perto da praia sim senhor!!!!

Esta placa joga no nosso time!

Depois da subida estenuante e da descida eletrizante, nada melhor que almoçar num lugar aprazível, de comida simples mas deliciosa, com direito a banho de piscina, muito verde e muita paz!

Na pousada, pausa para o almoço e um relax!

Em Rio das Ostras, enquanto se consertava um pneu furado, eu descansava o esqueleto!

Na chegada a São Pedro da Aldeia o primeiro encontro com o mar. Miguel Geovaninni e Eu!

Já era noite quando chegamos a Arraial do Cabo. Estávamos todos exaustos. Além da grande distância percorrida naquele 5° dia, na pressa de chegar, e sem nenhum juizo, aceleramos nos 40 km finais. Nestes últimos kms a gente pedalava por instinto. A unica coisa que sentia era dor pra tudo quanto era lado. Sorte que o Dr. Luiz Antônio tinha um comprimido arma secreta, que segundo ele aplacava qualquer dor. Ele veio em boa hora. Foi o impulso final que faltava pra chegada.


Enfim, Arraial do Cabo!!!

Na chegada a recepção com champagne e tudo. Valeu moçada!

Uma aventura e tanto. Superação, companheirismo, jogo de equipe e muita vontade de cumprir nosso objetivo.
Meu grande abraço aos companheiros que me proporcionaram momentos de rara alegria.
Denise, a unica representante do sexo feminino, que ficou extremamente bem representado por ela. Jorge, vulgo Olivia (devido a sua magreza extrema - Olivia Palito), Henrique, ou Sr. Madruga, devido a semelhança, Marcus, denominado de Edredon, porque seu sobrenome era foneticamente parecido com isso, Guilherme meu companheirão de quarto e sem apelido, Junior, ou Hulk, porque a camiseta era 3 numeros menor, Fred, o mascote da turma, apelidado de eucalipto pelo Dr. Luiz, porque é comprido demais e come feito eucalipto em fase de crescimento, Dr. Luiz Antônio, com seu constante otimismo e achando tudo sempre maravilhoso, também sem apelido, mas com uma curiosidade, comia beeeemmm devagar, mas segundo ele não comia muito não! Ronilton em sua ótima forma para os 58 anos (me deixou pra tras em várias subidas) e os organizadores Marcus e Marcelo, que mandaram muito bem na organização.
Ano que vem tem mais. A gente se vê por lá.
A gente se vê!!!

Deu no New York Times


A Tribuna de Minas noticiou nossa aventura. Saiu publicado no caderno de esportes do domingo passado, quando a gente largou para a aventura.


sábado, 13 de junho de 2009

JF - ARRAIAL - 4° DIA



(A data da postagem não coincide com o dia do acontecimento. Estou postando em JF depois do evento)

Na saída da pousada da Vovó Tetê

O destino de hoje era Barra do Sana, uma cidade incrustada entre montanhas. A pousada, Cascata, vê passar nos fundos um límpido e gelado rio, repleto de Pedras, o Rio Sana, como não poderia deixar de ser. Esta pousada reservava para nós muito mais do que belas paisagens e uma boa noite de descanso. Ao chegar aos quartos havia cartas esperando por nós sobre as camas. Num lance bem planejado a organização solicitou que algumas pessoas próximas de nos escrevessem mensagens incentivadoras. Eu recebi cartas do Filippe e Hugo, que zoava comigo direto, mas que dava muita força. Elaine foi outra escolhida. A grande amiga dedicou lindas palavras que foram um bálsamo naquela altura, Leandro pra variar tambem me zuando, mas me enviou palavras muito legais que me deram muita força e por fim uma curta, mas profunda carta dos meninos, Thanius e Thales. Foi difícil segurar a emoção. Eu não segurei.

Na saida de Duas Barras, pegando um trecho de asfalto rumo Barra do Sana.

No caminho pra Barra do Sana, mais serras, mais florestas, mais verde. Que ruim hein??

Pensa que não? O cansaço bate sim senhor!!!

No meio do caminho uma cidadezinha tipica das montanhas, com belas vistas, casinhas coloridas, locais pitorescos. São Pedro da Serra. Paramos numa gostosa padaria pra um capuccino e seguimos em frente.

São Pedro da Serra. Delicia de lugarejo.

Paisagens













e mais paisagens...

e mais ...
e mais ainda...


Saimos de São Pedro da Serra em direção a Barra do Sana. Havia uma serra de esfalto, sinuosa, com mais de 5 km de descida radical. No final da descida o prêmio: A Pousada Cascata.

A descida era sinuosa


Na pousada em Barra do Sana. No deck do barzinho. O Rio Sana de aguas cristalinas...e geladas!


Na manhã seguinte, bem cedo, me preparando para partir


Na saida de Barra do Sana. Uma subida sinistra nos esperava.


Descida no asfalto (video)
video

sexta-feira, 12 de junho de 2009

JF - Arraial 3° dia

(A data da postagem não coincide com o dia do acontecimento. Estou postando em JF depois do evento)
Saímos de Sumidouro por volta de 8 da manhã. No terceiro dia o caminho seria curto, só iríamos pedalar até na hora do almoço. Hoje era o grande dia da bacalhoada em Duas Barras.

No meio do caminho havia um dos pontos mais interessantes da viagem, uma fazenda centenária abandonada. Nos limites da fazenda havia ainda uma exuberante cachoeira, que, lógico, não poderíamos deixar de “explorar”.

A cachoeira, antes do mergulho.

...e depois do mergulho.

A entrada do que era a senzala da fazenda nos tempos áureos

As ruínas

Depois da fazenda rumamos para Duas Barras, onde além da bacalhoada, uma bela e aprazível cidade nos esperava. Depois de dar umas voltas pela praça central fomos direto para o Rei do Bacalhau, antes mesmo de ir para a pousada, e não frustramos nossas expectativas, foi sem dúvida nenhuma o melhor bacalhau que já experimentei, melhor mesmo que o do Adegão, do Rio. Bacalhau devidamente degustado fomos para a pousada da Vovó Tetê, simples, mas acolhedora. À noite uma pizza na praça e selamos com chave de ouro o terceiro dia. Hora de dormir e reservar energia, porque o quarto e quinto dias prometiam. E foram duros mesmo.

Pelo caminho pausa para colher mexericas. Ronilton estava comigo!

Na chegada a Duas Barras a foto no coreto. Não estava todo mundo aí não!


Duas Barras e suas vielas de casas coloridas. Muito show!

segunda-feira, 8 de junho de 2009

JF - Arraial - 2° Dia

Na manhã fria a foto "artística" em frente a Igreja matriz de Mar de Espanha (Eu não estou nela)


O dia ainda estava escuro quando acordamos.
O café estava servido a partir das 6:30h.
Pouco antes de partir a neblina ainda tomava conta de Mar de Espanha, mas anunciando que o sol apareceria durante o dia.
O objetivo de hoje era Sumidouro, ja no estado do Rio. No meio do caminho Sapucaia, RJ. A previsão era de pedalarmos por volta de 85 km.
Pelo caminho, como não poderia deixar de ser, belas paisagens, muitas cachoeiras.
Desta vez o dia transcorreu sem incidentes relevantes. Apenas um pneu furado e o Restaurante de Sapucaia que simplesmente estava fechado. Sorte que havíamos chegado cedo, com isso reprogramamos e seguimos viagem.

Na ponte de Sapucaia que divide Rio de Janeiro de Minas
Paisagens do caminho.

Mais paisagens

Na estrada Rio Bahia, entre Sapucaia e Sumidouro

Chegando em Aparecida fomos ao restaurante da Flavia, que na verdade nada mais era que um pequeno bar que servia comida, mas confesso que comemos de forma explêndida. A Flavia caprichou no almoço improvisado pra 14 pessoas que chegaram de supetão.
Josiane, uma simpatica menina, ajudou a servir. Pessoas maravilhosas, simples, puras, típicas de uma cidadezinha do interior.

Em frente ao Bar da Flavia...Serginho é o marido dela...rsrs

Após o almoço partimos rumo a Sumidouro. Chegamos por volta de 16 h. Na chegada um imprevisto. Na entrada da cidade fiquei esperando dois dos componentes que ficaram para trás, mas que na verdade ja haviam passado e eu não notara. Atrasei-me e depois não consegui localizar o grupo. percorri toda a cidade até achar a pousada. Nada demais, só pra quebrar a rotina.

Apesar da seta indicar pra direita, fomos pra esquerda. Havia uma "bela" trilha em subida nos esperando.
No caminho pra Sumidouro, no meio do nada, uma solitaria cruz. A religiosidade do brasileiro se manifesta até onde menos se espera.